Construção do início do século XX, este edifício tornou-se, à época, numa das principais referências culturais da cidade. A marca do romantismo tardio manifesta-se na decoração neo-barroca, adaptada às inovações estilísticas das primeiras salas de cinema do país, anteriores à art deco. O hibridismo da fachada, característico da arquitetura romântica, apresenta uma profusão de elementos decorativos de varias origens formais, utilizados desde os finais do século XIX e as primeiras décadas do século XX.

Rua João Afonso nº 7, 2000-074 Santarém
243 309 460 | teatrosabandeira@cm-santarem.pt
3ª a sexta das 11h00 às 19h00, sáb. 11h00 às 13h00 e 15h00 às 19h00 | Encerra domingo, segunda e feriados

Nota: Em dias de espetáculos a bilheteira abre 1 hora antes.

INFORMAÇÕES, BILHETEIRA, BILHETEIRA ONLINE E RESERVAS
Informação e reservas através do teatrosabandeira@cm-santarem.pt e pelo telefone 243 309 460.
O horário da bilheteira é o horário do espaço do evento, que pode consultar na página de contactos desta agenda. Em dias de espectáculos ou eventos, abre 2 horas antes do espectáculo ou evento, encerrando meia hora após o início. Nos 30 minutos que antecedem os espectáculos apenas se vendem bilhetes para os mesmos.
Poderá adquirir também adquirir os seus bilhetes sem ter de se deslocar à bilheteira na Bol – Bilheteira Online (www.bol.pt) e nas Lojas Worten, Fnac e CTT.

CONDIÇÕES DE ACESSO
A acessibilidade está assegurada, bem como a assistência a pessoas com mobilidade reduzida, no Teatro Sá da Bandeira. Nos restantes equipamentos, devem ser consultados previamente, consoante a tipologia de evento.


Caso pretenda, poderá efetuar o download do Rider Técnico do Teatro Sá da Bandeira, em documento no formato .pdf.

  DOWNLOAD



 Ver mapa  Obter Direções
PRÓXIMOS EVENTOS
Qua, 18 Set 2019
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Cinema/Audiovisual Santiago, Itália Um filme de Nanni Moretti
LER MAIS
Santiago, Itália
Santiago, Itália, o novo documentário de Nanni Moretti estreia a 11 de Setembro, assinalando assim a data em que se deu o golpe de Estado Chileno.

É um documento imprescindível para compreender o golpe no Chile em 1973 e a forma como então Itália foi um porto seguro para tantos chilenos. O filme retrata, recorrendo a incríveis imagens de arquivo e entrevistas, o golpe que derrubou o regime socialista de Salvador Allende, e o papel da Embaixada de Itália na capital chilena, que, ao contrário da política anti-imigração do atual governo italiano, abriu as suas portas para acolher numerosos refugiados e oferecer-lhes asilo em solo italiano.

Antestreado no Festival de Turim , o documentário abriu a retrospectiva dedicada a Nanni Moretti no âmbito da 12ª Festa do Cinema Italiano na Cinemateca Portuguesa. Santiago, Itália conquistou também o Prémio David di Donatello, os mais importantes galardões italianos, para Melhor Documentário.

Documentário | FRA/ITA/Chile | 2018 | Cores e P/B | 80 min. | M/12 | Preço 5€/2,5€ sócios Cineclube

Org. Cineclube de Santarém

Qua, 18 set às 21h30

Teatro Sá da Bandeira
Sex, 20 Set 2019
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Música Tim Bernardes Tim Bernardes é músico, compositor, produtor musical e multi-instrumentista
LER MAIS
Tim Bernardes
Tim Bernardes é músico, compositor, produtor musical e multi-instrumentista. Já trabalhou com nomes como Tom Zé e David Byrne, entre outros. Com a sua banda, O Terno, tem três discos e um EP lançados, todos com composições da sua autoria. A solo estreou-se em Setembro de 2017 com “Recomeçar” que esteve nas principais listas de melhores álbuns desse ano, consolidando Tim Bernardes como um dos grandes compositores brasileiros de sua geração. Caetano Veloso não lhe poupa elogios: “Uma maravilha de afinação, controle da dinâmica, refinamento, execução instrumental e liberdade na elegância do uso do palco e da luz - além das composições personalíssimas de caminhos fascinantemente desviantes… Tive certeza de que a música brasileira é forte sempre. Quem vê um show de Tim Bernardes não pode nem acompanhar o movimento mental de quem diz que nossa canção hoje não tem valor.” Fora do Brasil o trabalho também recebeu reconhecimento, com a nomeação para o Grammy Latino de 2018 como Melhor Álbum de Música Alternativa em Língua Portuguesa.

Ficha Técnica

Voz, guitarra e piano Tim Bernardes | Som Gui Jesus Toledo | Luz Olívia Munhoz

Bilhetes à venda no TSB, na BOL, na Worten, na FNAC e nos CTT



Sexta-feira, 20 de setembro – 21h30 – Teatro Sá da Bandeira

Preço: 15€

Qua, 25 Set
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Cinema/Audiovisual Amazing Grace Um filme de Alan Elliott, Sydney Pollack
LER MAIS
Amazing Grace
Quando Aretha Franklin gravou um dos álbuns mais vendidos de todos os tempos na Bethel Baptist Church, Los Angeles, em janeiro de 1972, o cineasta Sydney Pollack documentou todo o processo de maneira detalhada e intimista. Por questões pessoais e judiciais, o resultado só pôde ser lançado mais de 40 anos depois. O filme nunca antes visto retrata a gravação do maior álbum de gospel de todos os tempos, Amazing Grace. Quarenta e sete anos depois, é um testemunho da grandeza de Aretha Franklin e uma viagem no tempo na história musical e social americana.

Documentário, Musical | EUA | 2018 | Cores | 89 min. | M/6 | Preço 5€/2,5€ sócios Cineclube

Org. Cineclube de Santarém

Qua, 25 set às 21h30

Teatro Sá da Bandeira
Qua, 02 Out
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Cinema/Audiovisual Parasitas Um filme de Bong Joon-ho
LER MAIS
Parasitas
Ki-taek tem uma família unida, mas estão todos desempregados e as suas perspectivas futuras são negras. O filho Ki-woo é recomendado por um amigo – que frequenta uma prestigiada universidade – para dar explicações bem pagas, o que vem desencadear a esperança de um rendimento regular na família. Portador das expectativas familiares, Ki-woo dirige-se à casa dos Park para uma entrevista de trabalho. Chegado à casa do Sr Park – dono de uma empresa global de tecnologia informática – Ki-woo conhece Yeon-kyo, a bela e jovem dona da casa. Este primeiro encontro entre as duas famílias vai provocar uma imparável cadeia de incidentes.

O filme “Parasita”, de Bong Joon-ho, conquistou a Palma de Ouro na edição de 2019 do Festival de Cannes, a primeira vez na história do Festival em que um filme sul-coreano levou o principal prémio da competição.

Comédia dramática, Coreia do Sul, 2019, Cores, 132 min, M/12 | Preço 5€/2,5€ sócios Cineclube

Qua, 2 out às 21h30

Local: Teatro Sá da Bandeira
Sex, 04 Out
10:00

Teatro Sá da Bandeira


Oficinas/Masterclasses Cantopeia II Rita Roberto
LER MAIS
Cantopeia II
Gira em torno do oco, do eco, do movimento contínuo e redondo.

Cantopeia são pequenos espetáculos participados, para crianças pequenas e adultos cuidadores, que se juntam a escutar, a dançar e a cantar, num ambiente acolhedor e criativo.

Rita Roberto é licenciada em Artes Plásticas / Pintura (Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2006); mestre em Dança (UdK - Universidade de Artes de Berlim, 2009).

Entre 1999 e 2007 desenvolveu formação independente em dança contemporânea, passando pela escola de formação da Companhia de Dança Contemporânea de Évora, Centro em Movimento (Lisboa), Fórum Dança (Lisboa), Dock 11 (Berlim) e Marameo (Berlim).

Apresenta trabalho artístico próprio desde 2004, em contexto expositivo, salas de espetáculo e publicações. Desde 2008 desenvolve projetos educativos nas áreas de artes plásticas e performativas, em espaços culturais e em contexto escolar.

Sex, 4 out às 10h00 _ Escolas, prioridade público escolar

Oficina | Classificação Etária M/1 | Duração 00h40 | Preço gratuito

Local: Teatro Sá da Bandeira
Sáb, 05 Out
16:00

Teatro Sá da Bandeira


Oficinas/Masterclasses Cantopeia II Rita Roberto
LER MAIS
Cantopeia II
Gira em torno do oco, do eco, do movimento contínuo e redondo.

Cantopeia são pequenos espetáculos participados, para crianças pequenas e adultos cuidadores, que se juntam a escutar, a dançar e a cantar, num ambiente acolhedor e criativo.

Rita Roberto é licenciada em Artes Plásticas / Pintura (Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2006); mestre em Dança (UdK - Universidade de Artes de Berlim, 2009).

Entre 1999 e 2007 desenvolveu formação independente em dança contemporânea, passando pela escola de formação da Companhia de Dança Contemporânea de Évora, Centro em Movimento (Lisboa), Fórum Dança (Lisboa), Dock 11 (Berlim) e Marameo (Berlim).

Apresenta trabalho artístico próprio desde 2004, em contexto expositivo, salas de espetáculo e publicações. Desde 2008 desenvolve projetos educativos nas áreas de artes plásticas e performativas, em espaços culturais e em contexto escolar.

Sáb, 5 out às 16h00 _ Famílias

Oficina | Classificação Etária M/1 | Duração 00h40 | Preço gratuito

Local: Teatro Sá da Bandeira
Qua, 09 Out
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Cinema/Audiovisual Onde está você João Gilberto Um filme de Georges Gachot
LER MAIS
Onde está você João Gilberto
O jornalista alemão Marc Fischer tinha uma enorme obsessão: João Gilberto, o entretanto desaparecido pioneiro da bossa nova. Durante anos, tentou, sem sucesso, encontrar o músico brasileiro, que não fez aparições públicas ao longo de décadas. "Ho-ba-la-lá: À Procura de João Gilberto", o livro que escreveu sobre essa busca, saiu em 2011, uma semana depois de Fischer se ter suicidado. O francês Georges Gachot, que já tinha realizado documentários sobre Maria Bethânia ou o samba, ficou fascinado por esta história e decidiu adaptá-la, repetindo os passos de Fischer e indo ao encontro do lendário músico. O resultado é este filme.

Documentário, SUI/ALE/FRA, 2018, Cores, 107 min, M/12 | Preço 5€/2,5€ sócios Cineclube

Qua, 9 out às 21h30

Local: Teatro Sá da Bandeira
Sáb, 12 Out
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Teatro Um outro fim para a Menina Júlia Teatro Nacional D. Maria II
LER MAIS
Um outro fim para a Menina Júlia
“Júlia sai com um passo firme”. Esta é a didascália que August Strindberg escreve no final de Menina Júlia. Desde a estreia da peça, há 130 anos, em março de 1889, que atores de todo o mundo obedecem à ordem do autor e nos sugerem o suicídio de Júlia como o único desfecho possível desta história.

Imaginar outro fim possível para estas personagens obriga-nos a mostrar em cena o que acontece depois da didascália de Strindberg. Obriga-nos a imaginar o futuro que não quis prometer às suas personagens.

Em Um outro fim para a Menina Júlia, vemos Júlia, João e Cristina, que o mundo já viu tantas vezes, para depois os reencontrarmos 30 anos mais tarde, treinados pela vida a encontrar a felicidade nas pequenas coisas. Neste “antes e depois”, tentamos inventar uma alternativa e imaginar que o passo firme de Júlia pode ser o início da lenta e laboriosa caminhada da vida.

Biografia de Tiago Rodrigues

Desde que começou a trabalhar como ator, há 20 anos, Tiago Rodrigues tem sempre abordado o teatro como uma assembleia humana: um local onde as pessoas se encontram, como num café, para discutir as suas ideias e partilhar o seu tempo. Cruzou-se pela primeira vez, quando ainda era estudante, em 1997, com a companhia tg STAN, confirmando o seu vínculo a ao trabalho colaborativo sem hierarquia. A liberdade que encontrou quando começou a trabalhar com este coletivo belga viria influenciar para sempre os seus trabalhos futuros.

Em 2003, cofundou a companhia Mundo Perfeito com Magda Bizarro, na qual criou e apresentou cerca de 30 espetáculos em mais de 20 países, tornando-se uma presença regular em eventos como o Festival d’Automne à Paris, METEOR Festival na Noruega, Theaterformen na Alemanha, Festival TransAmériques no Canadá, kunstenfestivalsdesarts na Bélgica, entre outros. Colaborou com um grande número de artistas portugueses e internacionais, como também coreógrafos e bailarinos. Foi, também, professor de teatro em várias escolas, nomeadamente a escola de dança belga PARTS, dirigida pela coreógrafa Anne Teresa De Keersmaeker, a escola suíça de artes performativas Manufacture e o projeto internacional École des Maîtres. Paralelamente ao seu trabalho em teatro, escreveu argumentos para filmes e séries televisivas, artigos, poesia e ensaios. Com as suas peças mais recentes, obteve um reconhecimento internacional alargado e diversos prémios a nível nacional e internacional. Algumas das suas obras mais notáveis são By Heart, António e Cleópatra, Bovary, Como ela morre e Sopro, estreada no Festival d'Avignon 2017. Quer combinado histórias reais com ficção, quer reescrevendo clássicos ou adaptando romances, o teatro de Tiago Rodrigues é profundamente enraizado na ideia de escrever para e com os atores, procurando a transformação poética da realidade usando as ferramentas teatrais. Essa aspiração é óbvia em projetos como a Occupation Bastille, a ocupação artística do Théâtre de la Bastille em Paris, por cerca de uma centena de artistas e espectadores que decorreu em 2016. Em 2018 foi galardoado com o XV Prémio Europa Realidades Teatrais. Diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II desde 2015, Tiago Rodrigues tem sido um construtor de pontes entre cidades e países e, ao mesmo tempo, um anfitrião e um defensor de um teatro vivo.

Ficha Técnica

Encenação, espaço cénico e figurinos Tiago Rodrigues

A partir de August Strindberg (tradução de Augusto Sobral)*

Com Helena Caldeira, Inês Dias, Lúcia Maria, Manuel Coelho, Paula Mora, Vicente Wallenstein

Desenho de Luz João de Almeida | Assistência de Encenação Teresa Coutinho | Estagiários em Assistência de Encenação Ghita Serraj, Marion Stenton, Rocco Ancarola

Produção TNDM II

* Neste espetáculo utilizam-se fragmentos da tradução de Menina Júlia, de Augusto Sobral, a partir do original de August Strindberg, que foi utilizada na última representação de Menina Júlia levada à cena no Teatro Nacional D. Maria II, em 2009, com encenação de Rui Mendes.

Teatro | Classificação Etária M/12 | Duração 01h45 | Preço 12€ (verificar descontos)

Bilhetes brevemente à venda nos locais habituais

Sáb, 12 out às 21h30

Local: Teatro Sá da Bandeira
Sex, 18 Out
10:00

Teatro Sá da Bandeira

2 sessões para as escolas: 10h00 | 14h00

Teatro Romeu & Julieta Teatro Praga
LER MAIS
Romeu & Julieta
Partindo de William Shakespeare, o Teatro Praga centra-se em Romeu & Julieta, a clássica história de amor que põe no centro da ação dois teenagers apaixonados em rota de colisão com as suas famílias e com uma sociedade repressora.

Num ambiente divertido de uma cozinha dentro do palco, os atores guiam os jovens espectadores participantes pela história deste romance maldito, misturando-a com a feitura de um delicioso cheesecake que leva o nome dos dois protagonistas shakespearianos. Neste Romeu & Julieta o drama confunde-se com o queijo creme, o sangue dos amantes é marmelada, as lutas de espadas fazem-se com espátulas e caçarolas e uma dentada numa bolacha Maria pode ser uma alternativa deliciosa para um coração partido.

Biografia

O Teatro Praga nasceu quando um grupo alargado de pessoas se juntou após uma oficina de teatro, e desde então sofreu transformações várias. Em 2005, a sua identidade enquanto companhia representante de um teatro menos institucional era reconhecida e começou a receber convites para se apresentar em algumas das principais salas de espetáculos portuguesas.

Espetáculos como Título (2004), Discotheater (2006), O Avarento ou A última festa (2007), Turbo-Folk (2008), e o musical Demo (2009) marcaram o percurso da companhia durante estes anos de afirmação. Desde então, o Teatro Praga produziu dois grandes espetáculos baseados na ideia do teatro da Restauração inglês do século XVII, usando Shakespeare e Henry Purcell num ambicioso díptico (Sonho de uma noite de verão e A Tempestade) que surpreendeu pela sua escala e impacto. Ambos os espetáculos foram apresentados em Paris.

Estas produções marcaram o trabalho da companhia que passou a alternar espetáculos de maior dimensão com outros mais pequenos e portáteis.

O Teatro Praga recebeu vários prémios em Portugal e colabora regularmente com as mais prestigiadas estruturas culturais portuguesas, tendo-se apresentado em festivais e salas de diferentes países europeus (Itália, Grã-Bretanha, Alemanha, França, Hungria, Eslovénia, Eslováquia, Polónia, Bélgica, Espanha, Estónia e Dinamarca), bem como em Israel e China, atuando em português, inglês, francês e até em hebreu...

Destaca-se igualmente a sua participação na rede europeia “Prospero” (em cooperação com o Théâtre National de Bretagne - Rennes e Emilia Romagna Teatro Fondazione - Modena), as várias colaborações com o MC93 (Maison de Culture de la Seine-Saint-Denis), a participação nos Chantiers d’Europe 2013/2014/2015/2016/2018 no Théâtre de la Ville (Paris) e no projeto europeu TABUROPA (com parceiros alemães, polacos e belgas).

Ficha Técnica

Texto e Criação Cláudia Jardim, Diogo Bento e Pedro Penim | Interpretação Cláudia Jardim e Diogo Bento | Direção de Produção Andreia Carneiro | Produção Alexandra Baião

Teatro | Classificação Etária M/6 | Duração 01h00 | Lotação máxima 80 pessoas | Preço gratuito

Sex, 18 out. 2 sessões:

10h00 - Escolas

14h00 - Escolas

Local: Teatro Sá da Bandeira
Sex, 25 Out
21:30

Teatro Sá da Bandeira


Música Rui Massena III Solo Os maestros são figuras fascinantes, quase sempre excêntricas, tocadas pelo génio
LER MAIS
Rui Massena III Solo
Os maestros são figuras fascinantes, quase sempre excêntricas, tocadas pelo génio. É certamente esse o caso de Rui Massena, conhecida figura do panorama cultural nacional que ajudou a transformar Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura num estrondoso caso de sucesso. Assim aconteceu também com a Orquestra Clássica da Madeira onde foi maestro e diretor artístico durante 12 anos. Fora de portas, entre muitos concertos em numerosos países destaca-se o facto de ter sido maestro convidado principal da Orquestra Sinfónica de Roma entre 2007 e 2009 e a proeza de ter sido o primeiro Maestro Português a dirigir na mítica sala Carnegie Hall em Nova Iorque. Dois exemplos da sua capacidade de extravasar as nossas fronteiras. Por cá, embarcou de corpo e alma na aventura Expensive Soul Symphonic Experience, um espectáculo onde uma orquestra clássica encontrou espaço ao lado do moderno hip hop dos nortenhos Expensive Soul e que rendeu um DVD de sucesso (o mais vendido em Portugal em 2012).

A sua vasta experiência musical, que se traduz em três álbuns editados, o último dos quais – III – lançado no final de 2018 pela prestigiada Deutsche Grammophone, e concertos nas mais prestigiadas salas dentro e fora de portas, dá-lhe uma bagagem invejável e singular, que se traduz num fascinante universo de melodias. Um palco, um piano, os novos temas e os sucessos inevitáveis. Uma história, um monte de prémios, um percurso artístico singular. Tudo se conjuga num espetáculo único, imperdível e surpreendente.

Música | Classificação Etária M/6 | Duração 01h15 | Preço 15€ (verificar descontos)

Sex, 25 out às 21h30

Local: Teatro Sá da Bandeira

Bilhetes à venda no TSB, na BOL, na Worten, na FNAC e nos CTT